O tenente-coronel e a universitária

por RUTH DE AQUINO

Quando o PM do Distrito Federal jogou ao chão a universitária Ingrid Cartaxo, como se fosse uma boneca de pano, e fechou a grade gritando “O que que é? O que que é?”, pensei: “Esta é a imagem de um governo desmoralizado, truculento e autoritário”. Desmoralizado pela corrupção e por manobras para garantir a impunidade. Truculento pela covardia contra jovens. Autoritário por não suportar contestação.

Identificado como tenente-coronel Cláudio Armond, comandante do 3o Batalhão, o policial militar perdeu o controle e empurrou fortemente a estudante de ciências sociais da Universidade de Brasília, que registrou queixa na Comissão de Direitos Humanos da Câmara contra a agressão. Havia suspeita de fratura no braço de Ingrid.

O mais preocupante é que essa cena começa a fazer parte da paisagem de Brasília.

A agressão ocorreu na quinta-feira. Estudantes depositaram 30 sacos de esterco na frente da Câmara Legislativa, em protesto contra as manobras para acabar com a CPI da corrupção. A inabilidade da PM – um eufemismo – vem se repetindo desde o início de dezembro, com contornos mais e menos violentos. E ninguém faz nada. Porque encara tudo como normal.

É inacreditável e vergonhoso que um país democrático não saiba lidar com manifestações políticas. Especialmente um país que enfrentou uma ditadura militar. Qualquer cidadão brasileiro que conheça Paris sabe que as manifs (apelido carinhoso de manifestations) bloqueiam avenidas da capital francesa quase todo fim de semana e são protegidas, não atacadas, pelas forças da ordem. O trânsito é desviado pela polícia. E o direito de expressão é garantido. A passeata transcorre sem problemas.

Dá arrepio pensar quantos jovens seriam feridos ou morreriam nas mãos da PM de Arruda se promovessem quebra-quebras como os protagonizados por universitários em Paris nos últimos anos. A PM armada precisa aprender a agir com serenidade e só usar a força quando não há outra alternativa. Senão, é abuso de poder.

A agressão do PM de Brasília a uma estudante revela um
governo desmoralizado, truculento e autoritário

No dia 9 de dezembro de 2009, em Brasília, cavalos, gás lacrimogêneo, balas de borracha e cassetetes foram arremessados contra estudantes. A tropa de choque convocada pelo governador José Roberto Arruda para reprimir o protesto contra o mensalão do DEM agiu com brutalidade extrema. Um coronel chegou ao corpo a corpo com um manifestante.

Qual é a opinião do coronel Alberto, chefe de Comunicações da PM de Arruda? “Os manifestantes perturbaram terceiros, afrontaram a população de Brasília, porque não atenderam a nossos apelos para desbloquear a via e dar fluidez ao trânsito.” Sobre o confronto pessoal, Alberto disse em linguagem de código: “O coronel acabou entrando em vias de fato devido às circunstâncias”. Afirmou que “a PM de Brasília treina exaustivamente para evitar conflito” e que “vem demonstrando capacidade muito grande de negociação”.

Essa declaração soa como achincalhe. Quase como as risadas do “governador panetone” no fim do ano. Quem afronta a população não são os universitários, coronel. O que afronta são as propinas distribuídas em cuecas, meias, barrigas, bolsos e malas. O que perturba é a dissolução da CPI depois de a Justiça destituir da comissão os aliados corruptos de Arruda. O que ofende são as tentativas acrobáticas de sobrevida do governador do DF e dos deputados aliados.

Não há aqui nenhum desejo de incitar à desordem pública. Mas a desordem é inevitável e perigosa quando não se respeita o direito legítimo à manifestação. Esses 30 estudantes (só me assombra o número não ser maior) faziam um protesto pacífico, acompanhados de um advogado. Diogo Ramalho, universitário, disse: “Este é um protesto simbólico. O esterco simboliza a sujeira aí na Câmara”.

Virou pancadaria. A PM disse que tinha informações de que os estudantes “iriam jogar estrume nos deputados”. Os jovens tentaram entrar na Câmara. E a PM os atacou, sem se sensibilizar com as palavras de ordem dos estudantes: “Policial, pai de família, não defenda essa quadrilha”.

Alguém pode culpar jovens por depositar esterco ali em ato de ironia e deboche?

Anúncios

Tags: , , , , , ,

4 Respostas to “O tenente-coronel e a universitária”

  1. Rildo Melo Says:

    O blog do Cláudio Humberto está informando que a Eliana Pedrosa é favorita para a presidência da Câmara Legislativa, no lugar do Prudente. Não é o fim?

  2. Aparecido Says:

    Vá em :
    http://www.fazenda.df.gov.br/aplicacoes/legislacao/atos/TelaSaidaDocumento.cfm?txtTipo=1&txtID=98&txtAno=2001&setor=1

    Localize:
    CLAUDIO ARMOND

    e conclua…Isenção do ITBI por baixa renda…

  3. sergio alexandre Says:

    Manifestantes do movimento Fora Arruda realizam protesto neste domingo (17) contra o governador José Roberto Arruda e deputados envolvidos no esquema de corrupção na porta do prédio do deputado Brunelli (PSC), flagrado em investigação da Polícia Federal rezando depois de receber propina.

    Confira também
    Durval é condenado a devolver R$ 9,2 mi ao DF

    Entenda o escândalo do mensalão do DEM

    Os ativistas picharam os dizeres “fora Arruda e sua máfia” na porta do prédio e foram repreendidos pelo síndico Marco Aurelio Souza.

    – Eu não sou contra o movimento, mas os outros moradores não devem pagar por protesto contra um.

    Os ativistas se reuniram em roda e fizeram, com ajuda de um megafone, a “oração da propina “. O barulho provocado pelo buzinaço dos cerca de 50 carros que saíram em carreata pelas ruas de Brasília até a casa de Brunelli, no luxuoso bairro do Sudoeste chamou a atenção dos vizinhos do deputado.

    Brunelli não apareceu. Vizinhos informaram que ele está morando em um hotel de luxo em Brasília e apenas sua ex-mulher vive no Sudoeste. Mas o endereço consta no processo que corre no Superior Tribunal de Justiça.

    O protesto deste domingo (17) teve a participaçao de um “homem cueca”. O servidor do GDF Sérgio Alexandre foi ao protesto usando apenas cueca e meia, com cédulas alojadas na cintura.

    Depois da casa de Brunelli, os manifestantes seguiram para a residência de Benício Tavares, onde também picharam o portão e jogaram mangas no telhado do deputado.

  4. Juliano Says:

    Na hora de vender o VLT, o filho de uma puta suja do Arruda tenta parear Brasília com Paris. É um desrespeito a qualquer pessoa com um nível intelectual e moral decente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: