E o Roriz…

Apostam alto nos subterrâneos pantanosos da política na capital que ele não dura a até a eleição. O certo é que a repulsa popular em forma de mobilização há de ser parte fundamental nos cálculos sobre isso. Roriz nunca mais!

Matéria d’O Globo sobre o concerto das instituições conservadoras fiscalizadoras que têm, por ora, largado de mão os bandidos mais notáveis de Brasília.

Lembrando sempre: ir ao fundo na publicização das denúncias, provas e investigações realizadas, punição de toda a bandidagem pública e privada, recuperação do patrimônio público desviado, revisão profunda das políticas públicas montadas em benefício de empresários e autoridades criminosas (o PDOT na linha de frente, junto com o Brasília Integrada e as grandes obras de trânsito), extinção da radical maioria dos cargos comissionados do GDF, tudo isso dependerá mais da capacidade da sociedade civil organizada de pautar tais questões junto à grande mídia e outras instituições do que dos sujeitos que as compõem.


Ministério Público agora mira em Joaquim Roriz

Ex-governador do DF teria recebido R$ 2,2 milhões para facilitar negócio com o dono da Gol Linhas Aéreas

De Jailton de Carvalho:

Depois da prisão do governador José Roberto Arruda e da renúncia do vice Paulo Octávio, está chegando a hora de o ex-governador Joaquim Roriz ser chamado para prestar contas à Justiça.

Após dois anos de uma longa investigação, o Ministério Público conclui o texto de uma ação de improbidade contra o ex-governador Roriz.

Ele é acusado de receber uma propina de R$ 2,2 milhões para facilitar um negócio de aproximadamente R$ 44 milhões para o empresário Nenê Constantino, dono da Gol Linhas Aéreas.

O dinheiro teria sido pago a Roriz em troca da mudança de destinação de um terreno de 80 mil metros quadrados na extremidade sul de Brasília.

Além da nova ação, Roriz também será arrastado para o centro das investigações da Operação Caixa de Pandora.

Na semana passada, o Ministério Público decidiu chamar para depor a deputada Eurides Brito (PMDB) e o ex-secretário de Planejamento José Luiz Vieira Neves, para que forneçam detalhes sobre os vínculos entre Roriz e o mensalão do DEM, supostamente chefiado por Arruda.

Depois de serem flagrados recebendo dinheiro do ex-secretário Durval Barbosa, um dos operadores do mensalão, ambos disseram que os recursos faziam parte de um acerto com o ex-chefe Joaquim Roriz. Vieira e Eurides foram, respectivamente, secretários de Planejamento e Educação de Roriz.

Durval Barbosa, que da condição de principal operador se tornou a testemunha-chave do escândalo, também é instado a falar sobre o funcionamento do mensalão durante o governo Roriz.

Os promotores estão insatisfeitos com a resistência do ex-secretário a abrir segredos do período em que, durante o governo Roriz, presidia a Codeplan (Companhia de Planejamento do Distrito Federal).

A partir do gabinete na Codeplan, Durval gravou vários vídeos de partilha de dinheiro. Num deles, gravado em 2006, Arruda aparece recebendo R$ 50 mil de Durval.

Na série de depoimentos que vem prestando desde o início das investigações, Durval fez uma planilha com a relação de empresas contratadas pelo governo Arruda e os valores das propinas cobradas em cada um deles.

Os promotores pediram que o ex-secretário faça, agora, o mesmo em relação ao governo Roriz.

As informações de Durval estão sendo confrontadas com os dados de um outro suspeito que decidiu ajudar na apuração do caso. A mudança de foco é considerada tão importante que os promotores acenam até com a possibilidade de contar com Arruda na investigação.

— Se o governador quiser colaborar, será bem-vindo. Nós sabemos que esse esquema de arrecadação e distribuição de dinheiro não surgiu agora com o governo Arruda, embora ele tenha se aproveitado dele — disse ao GLOBO um dos investigadores do caso.

Anúncios

2 Respostas to “E o Roriz…”

  1. Silas Says:

    “concerto das instituições”…., onde vai ser? Na Villa-Lobos?

    Pô, tentem arrumar alguém que saiba escrever razoavelmente, pelo menos. Não precisa ser um Saramago, mas um texto cheio de erros crassos e primários como o dessa introdução é dose. Principalmente quando o semialfabetizado tenta escrever bonito. Acaba desmoralizando o movimento, juventude.

    • foraarrudaetodamafia Says:

      Desculpa, prof. Pasquale, mas o termo está bem usado. Em qualquer dicionário verá entre as definições de concerto: Acordo entre pessoas, ou instituições, com vistas a um objetivo comum.

      Vamos lá, chega junto, discute, propõe e posta junto.

      Não somos só a juventude.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: