Archive for the ‘Atos/manifestações’ Category

Manifestação por um passe REALMENTE livre.Dia 9 de junho as 18h na rodoviaria.

junho 8, 2010

Cartaz Movimento pelo passe livre.

Audiência Publica sobre violência policial com o coronel Silva Filho.

maio 25, 2010

Desde o inicio de nossa luta contra a mafia enraizada no Distrito Federal que  iniciou ainda em Roriz mas que ganhou grande aclamação social com imagens da gentalha com a mão na bufunfa. Tivemos inumeros atos para demonstrar nossa indignação e denunciar essa roubalheira generalizada, atos esses, que muitas vezes era repreendido com violência pela policia e comandada pelo violento e desumano coronel  Silva Filho. Que mandou cavalo e cassetes para cima de pessoas que se defendiam com mangas e ainda foram agredidas dentro da grama, acabando com o argumento de que eles apenas queriam desimpedir a via.

Que durante a ocupação da nova e superfaturada camarâ legislativa ameaçou subir no predio com cachorros, não o fez por que a imprensa já estava lá.Entre outros fatos.

Silva Filho representa tudo aquilo que não queremos na policia, tudo aquilo que não queremos na humanidade.

Portanto pedimos que compareça a

Audiência Publica sobre violência policial com o coronel Silva Filho.

Sexta( 28 de maio)

ás 15h
Local: Plenário da CLDF

Tarde de luta contra Paulo Octávio, Noroeste e a máfia imobiliária

fevereiro 22, 2010

A tarde foi cheia para os militantes do Movimento Fora Arruda e Toda Máfia. Por volta das 14h deste domingo (21/02), Algumas pessoas começaram a se reunir em frente à “Central de vendas” do Noroeste, na 208 sul, com a intenção de fazer um protesto contra o bairro genocida e antiecológico do empresário, fraudador e governador interino do DF, Paulo Octávio.

Os primeiros manifestantes a chegar foram ao mercadinho OBA, numa quadra próxima, onde buscaram verduras e legumes refugados que seriam atirados mais tarde contra o suntuoso Stand. “Estamos pegando os legumes para um trabalho acadêmico”, respondeu um dos militantes quando perguntado pelo gerente do estabelecimento sobre a finalidade dos refugos.

Assim, pouco antes das 15h, cerca de 40 pessoas começaram o protesto contra o Stand. É a segunda vez que este tipo de ação é realizada no local, e tem entre seus efeitos positivos o de afastar, nem que seja por uma tarde, os abonados compradores. “Eu não sou otário, o Paulo Octávio também rouba pra *aralho!” e “Noroeste, Faroeste!” foram algumas das palavras de ordem gritadas pelos manifestantes.

Leia aqui sobre a primeira manifestação em frente ao Stand.

Além dos refugos e ovos voando e das tradicionais palavras de ordem, a manifestação inovou mais uma vez. Alguns militantes trouxeram corante vermelho em pó, que foi misturado à água da luxuosa fonte do Stand de Vendas. Segundo a manifestante Tâmara, a água vermelha simbolizaria melhor o sangue indígena derramado e todo o sofrimento causado em nomes dos lucros de P.O. e seus asseclas no Setor Noroeste.

Quase ao final do ato, um incidente envolvendo o manifestante David quase impediu o grupo de realizar a ação seguinte que estava prevista, o protesto em frente à residência oficial do vice-governador do DF. Ao atirar vegetais contra o stand, o militante esbarrou e derrubou um vaso com um pequena palmeira, que adornava a entrada da loja.

Maldosamente, a polícia militar recaiu de pronto e truculentamente contra David, algemando-o e levando-o detido. Apesar de informar aos demais militantes que levaria David para a 2º Delegacia de Polícia, no fim da Asa Norte, a viatura se dirigiu com ele para a Delegacia de Repressão a Pequenas Infrações, no Fórum Leal Fagundes, próximo ao Park Shopping, em outra parte da cidade.

Chegando lá, descobriu-se que o delegado responsável estava em casa, dormindo. As empresas de P.O. também não enviaram representantes legítimos, de forma que David foi liberado depois de algumas horas.

Após uma breve pausa para deliberação, o grupo decidiu se dirigir então à residência oficial do vice-governador do DF, com a intenção de manter a programação do dia e protestar contra o governador interino do DF, Paulo Octávio.

Logo após chegarem ao local, os manifestantes observaram estupefatos a ação da Polícia Militar, que fechou a rua com cones, segundo eles, para evitar a chegada de novos manifestantes. Por volta das 17h30min o circo já estava armado: uma fileira de policiais fazia um cordão de isolamento em frente à residência oficial.

Inicialmente, os manifestantes desejavam atear fogo a um monte de faixas (aliás, colocadas de forma irregular pelos canteiros de Brasília) de anúncio de apartamentos no Setor Noroeste, em frente à residência oficial. Entretanto, um dos policiais grosseiramente tomou a garrafa de álcool que seria usada na operação, de forma que as faixas não puderam ser queimadas.

Os manifestantes então acharam por bem rasgar as faixas, com cujos destroços escreveram no chão a frase “Fora P.O!”. Antes das 18h estava tudo acabado em frente à casa de P.O, e os militantes tiveram ocasião de apreciar a final da taça Guanabara, na qual o Botafogo sagrou-se bi-campeão sobre o Vasco da Gama.

por André Shalders

CUT chama novo ato depois de protocolar os pedidos de impeachment para Arruda e Paulo Octavio

fevereiro 17, 2010

O movimento Fora Arruda e Toda Máfia, suprapartidário, registra que:

Na quinta-feira (18/2), a partir das 14h, a CUT-DF realiza manifestação em frente à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF).

O objetivo é exigir que a CLDF saia da inércia e cumpra com suas obrigações perante a sociedade, apurando com rigor todas as denúncias de corrupção e dando seqüência imediata aos processos de impeachment que tramitam na Casa.

“Vem vamos embora, esperar não e saber, quem sabe faz a hora, não espera acontecer.” Geraldo Vandré.


Manifestação de quinta-feira – Rodô ao Congresso

dezembro 11, 2009

Dessa vez a polícia do Arruda e Paulo Otávio não agrediu a resistência pacífica do povo de Brasília que ocupa as ruas exigindo o fim da impunidade, conseguimos caminhar no mesmo eixo monumental que na quarta-feira fomos espancados!


Fora Arruda, Paulo Otávio e Deputados e Deputadas Distritais.